“Há ir e voltar” lança campanha de crowdfunding para construção de segunda escola no Quénia

Autor: Miguel Marote Henriques    Data: 8-03-2016
Publicado em: Empreendedorismo, Ensino, Notícias, Solidariedade

hairevoltar1Diana Vasconcelos, 28 anos,  licenciada em Ciências da Comunicação, rumou ao Quénia, em 2014, com o seu projecto “Há ir e voltar“.  O objectivo era fazer trabalho voluntário durante um ano numa das maiores favelas do mundo, mas acabou por envolver-se intensamente na ajuda à população e na construção de uma escola. Agora, Diana pretende edificar outra escola.

Depois de trabalhar na área da comunicação em algumas agências, faltava algo para se sentir feliz. Diana chegou ao Quénia através do programa de Serviço Voluntário Europeu. A sua candidatura foi aceite num dia. O plano previa um ano de voluntariado no Gabinete de Comunicação da ONG Kenya Youth Foundation e no ensino de crianças.

Diana não se limitou ao estabelecido, começou a ajudar as pessoas e a planear a construção de uma escola em Kibera, o maior bairro de lata de África, nos subúrbios de Nairobi, capital do Quénia. A escola ficou concluída em 2015 e é frequentada por 75 alunos.

hairevoltar3

Já arrecadei mais de três mil dólares (através da Internet) e pretendo chegar aos 20 mil para poder reconstruir esta escola que não tem condições, nesse momento, para abrigar as crianças – Diana Vasconcelos em declarações à Lusa

Agora, Diana quer reconstruir uma escola em Mathare, uma aterradora favela nos subúrbios de Nairobi, onde é impossível quantificar o número de pessoas que ali vive ou sobrevive. Não há censos nem registos de nascimento.

Muita desta gente vive com menos de 1 dólar por dia. Estima-se que 1 em cada 3 pessoas de Mathare esteja infectada com o HIV. A morte prematura, o crime, a prostituição, o alcoolismo e o vandalismo fazem parte do dia a dia desta comunidade.

A jovem portuguesa pretende deitar abaixo a escola utilizada pela Angel Girls Educational and Rehabilitation Center e reconstruí-la. Diana pensa nas 78 crianças, dos 3 aos 12 anos, que estudam numa escola que “não devia servir nem para criar animais”.

As turmas são combinadas entre vários anos porque não há salas para todas. E cada sala enche-se com muito mais meninas do que aquelas que qualquer um de nós, atrás destes computadores, poderia algum dia comportar. 

Diana lançou uma campanha de crowdfunding e pretende realizar outras iniciativas para angariar fundos e ajuda. A jovem de Amarante conta com a colaboração de 3 portuguesas (Francisca Oliveira, Diana Nicolau e Gisela Lourenço) que se conheceram em Nairobi e agora ajudam a partir de Portugal. “Somos 4, quase a conta que Deus fez, a rumar para o mesmo lado: o lado onde se constroem escolas e se transformam sonhos em realidade!” sublinha Diana.

Vamos deitar abaixo tudo isto e construir uma escola bonita. De pedra e com chão de cimento. Vamos ter paredes lisas e com cores, vamos fazer janelas para terem luz. Vamos construir dois andares para que cada menina tenha direito a um espaço para respirar sozinha. Vamos ter casas-de-banho com papel higiénico. Vamos ter móveis bonitos e confortáveis, onde vai dar gosto aprender. Vamos ter uma biblioteca com muitos livros.

Diana Vasconcelos não resiste à alegria e a esperança que vê nas caras das 78 meninas da Angel Girls. Vamos ajudar?

Fontes: Há ir e voltar; TVI 24; Notícias UP
Fotos: DR