Porto Santo Nature Trail® revelou segredos da “Ilha Dourada”

Autor: Miguel Marote Henriques    Data: 13-03-2017
Publicado em: Desporto, Economia, Eventos, Madeira, Turismo

pxo1_trailUm site de informação turística dedicado à “ilha dourada afirma que “O Porto Santo é uma extensa praia de areia com um pouco de ilha a acompanhar”. Participámos no Porto Santo Nature Trail® e somos obrigados a discordar desta generalizada e redutora associação do Porto Santo à sua longa praia de areia.

A Ilha de Porto Santo situa-se em pleno Oceano Atlântico, no Arquipélago da Madeira, a cerca de 50km de distância da Ilha da Madeira. Embora possa ter sido visitado por Romanos e Fenícios,  a descoberta oficial do arquipélago teve lugar em 1148, primeiro com Porto Santo pelos navegadores João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, e no ano seguinte, a Ilha da Madeira com João Gonçalves Zarco e Bartolomeu Perestrelo.

Diz-se que Cristóvão Colombo terá habitado na ilha, casando em 1479 ou 1480 com Filipa de Moniz, filha de Bartolomeu Perestrelo, primeiro capitão donatário do Porto Santo. A casa onde terá habitado encontra-se restaurada e visitável.

Fruto das suas praias de areia fina, a que se atribuem propriedades terapêutico-medicinais e que contrastam com as praias de “calhau” da Ilha da Madeira, o Porto Santo tornou-se o local de veraneio preferido dos madeirenses. Quem não se recorda das mediáticas férias do histórico presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim?

pxo2_trailO Porto Santo Nature Trail® foi o motivo da nossa visita à “Ilha Dourada”, assim apelidada pela cor do seu solo, vegetação e às praias de areia fina. A 5ª edição do evento organizado anualmente pela Associação de Atletismo da Região Autónoma da Madeira (AARAM), teve lugar no dia 4 de Março, abanando a habitual pacatez da ilha e da economia local na época baixa.

Cerca de 700 pessoas puderam comprovar in-loco o grande potencial que o Porto Santo apresenta para o Turismo desportivo e de natureza. Mesmo sem apoio da autarquia local, o evento duplicou o número de participantes e acompanhantes face ao ano anterior.

Esta edição teve um formato renovado com três provas que cobriram a ilha de lés-a-lés:

• Porto Santo Nature Trail® (PSNT) – 42 km e 1900 metros de desnível positivo (formato circular);

• Trail do Porto Santo (TPS) – 21 km e 1050 metros de desnível positivo (formato linear);

• Mini Trail do Porto Santo (MTPS) – 8 km e 240 metros de desnível positivo (formato linear);

Houve ainda uma prova-extra dedicada aos mais jovens, o Kids Trail do Porto Santo (KTPS) – entre 1 km e 3 km (formato circular).pxo3_trailAs provas foram exigentes e contrariaram a noção que muitos tinham relativamente ao perfil (supostamente) plano da ilha. A organização fez questão de demonstrar que o Porto Santo tem potencial para o trail-running e incluiu os picos mais emblemáticos nos percursos.

Fomos brindados por paisagens surpreendentes que incluem os vestígios das antigas fazendas, os espinhosos tabaibos, as escarpas, os miradouros virados para o oceano azul e muito mais.

A Vila Baleira foi o palco da meta de todas as provas.  Renato Andrade (RC Travel) e Ana Luísa Viveiros (ADRAP) venceram a prova maior, cumprindo 0s 42 quilómetros em 4 horas e 4 horas e 37 minutos, respectivamente.  A prova de 21 quilómetros foi ganha por Bruno Silva e Mariana Mendonça, ambos atletas da Associação Desportiva e Cultural do Jardim da Serra, com os tempos de 1 hora e 48 minutos e 2 horas e 31 minutos.

E a praia? A praia foi palco da partida da prova dos 42 quilómetros e do meu primeiro mergulho do ano.

Depois de palco da meta, a Vila Baleira foi também local de convívio e animação para todos os que participaram ou acompanharam o evento. Depois do esforço físico, a cerveja e a tradicional poncha já eram permitidas.

pxo4_trailA AARAM está de parabéns pela aposta que feito no trail-running. A visão do seu presidente, Luís Policarpo e a experiência do seu director técnico para o trail-running, Nuno Gonçalves, estão a dar resultados.  A Madeira tem um circuito regional muito disputado, um calendário de provas muito abrangente e tem conseguido fazer chegar os seus atletas à selecção nacional.

Fruto do enorme sucesso desta 5ª edição, estou certo que os merecidos apoios chegarão na próxima edição. No próximo ano, a prova poderia até ser inserida no programa das comemorações dos 600 anos da descoberta do Porto Santo.

Fotos: DR