CIIMAR lidera projecto de 1.3 milhões para combater a obesidade

Autor: Bernardo Marvilla    Data: 4-04-2017
Publicado em: Ciência, Inovação, Tecnologia

CIIMAR_obesidadeCYANOBESITY é o novo Projecto Europeu do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto que visa o desenvolvimento de novos compostos nutracêuticos extraídos de cianobactérias marinhas, fundamentais para melhorar a qualidade de vida de indivíduos com problemas de obesidade.

A obesidade é comprovadamente um risco para a saúde global associado a problemas como a hipertensão, colesterol alto, diabetes, doenças cardiovasculares, apneia do sono, problemas respiratórios (asma), doenças músculo-esqueléticas (artrite) e algumas formas de cancro. Nas últimas duas décadas, a percentagem de obesidade quase duplicou em muitos países europeus.

Ralph Urbatzka, investigador no CIIMAR e coordenador do projecto, refere que “ao longo dos anos diversos medicamentos têm sido produzidos para tratar ou prevenir a obesidade no entanto, muitos apresentam uma vasta gama de efeitos colaterais perigosos pelo que é urgente a procura de novos compostos anti-obesogénicos. As cianobactérias marinhas apresentam-se assim como uma excelente solução sendo uma fonte de moléculas naturais”.

As cianobactérias são uma fonte prolífera de novos compostos bioactivos estando já algumas estirpes comercialmente disponíveis devido às suas propriedades benéficas para a saúde humana. Um dos exemplos é o composto brentuximab vedotin, um fármaco anticancerígeno derivado de cianobactérias e aprovado pela FDA para o tratamento clínico de carcinoma.

O projecto terá início com a produção de biomassa de estirpes de cianobactérias seleccionadas da colecção de culturas do CIIMAR, a maior colecção portuguesa e inscrita no World Federation of Culture Collections, e serão realizados diferentes bioensaios em peixes zebra e em vários tipos de células adiposas (que acumulam gordura) e células hepáticas (presentes no fígado) permitindo o isolamento de compostos bioactivos, necessários para a elucidação da sua estrutura química.

Na fase final do CYANOBESITY, e de forma a comprovar que estes compostos reduzem a obesidade ou melhoram o metabolismo na obesidade, será efectuado um ensaio in vivo em ratinhos obesos.

O isolamento destas moléculas bioativas permite obter, na fase final, um composto puro que pode ser administrado sob a forma de um produto nutracêutico ou uma dieta suplementar, não sendo misturado com outros metabolitos, reduzindo assim efeitos secundários potencialmente indesejados.

Este projecto, co-financiado pela Fundação da Ciência e Tecnologia (FCT) no âmbito da ERA-MarineBiotech, tem a duração de cerca de 3 anos e reúne um consórcio de 4 países: Portugal, Suécia, Alemanha e Islândia.

Fonte: CIIMAR
Foto: DR